Manuel Alegre - O nosso país está desarmado, a nossa última garantia é o Tribunal Constitucional
Início
Notícias
Editoriais
Entrevistas do MIC
Lugar da Cidadania
Opinião
Iniciativas/Parcerias
 
Galeria de Edições
Quem Somos
Coordenação
Núcleos
Como Participar
 
Apoiantes
Links
Downloads
 
Contactos
NEWSLETTER
 


-
«Nem Salazar se atreveu a tocar no 5 de Outubro»
Alegre considera que a extinção de feriados não resolve os problemas de competitividade. «Nós não somos escravos», argumenta
[16-12-2011] | 0 comentários
O ex-candidato presidencial Manuel Alegre acusou o Governo de pretender acabar com o feriado de 5 de Outubro por razões «ideológicas» e «revanchistas», advertindo que nem Oliveira Salazar se atreveu a tocar na instauração da República.

As críticas de Manuel Alegre foram feitas em declarações à agência Lusa, depois de interrogado sobre os motivos que o levaram a encabeçar um movimento contra a extinção de feriados civis.

«Um país é feito de símbolos e datas como o 1º de Dezembro ou o 5 de Outubro fazem parte da nossa identidade. Nem Salazar se atreveu a tocar no 5 de Outubro», respondeu o ex-candidato presidencial apoiado pelo PS e Bloco de Esquerda.

Alegre acusou depois o Governo de pretender pôr em prática «uma medida ideológica e revanchista».

«Trata-se também de uma medida contra um direito que o povo português conquistou, que é o direito ao lazer, o direito a gozar os seus feriados. Nós não somos escravos», afirmou.

Interrogado se aceita em contraponto a extinção de alguns feriados religiosos, o ex-dirigente socialista manifestou uma posição menos fechada, considerando, no entanto, intocáveis feriados como o Natal ou Páscoa.

«Considero que a extinção de feriados não resolve problema nenhum de competitividade. O que resolve a competitividade é qualidade da educação ou a organização do trabalho», contrapôs.

Em relação aos feriados religiosos, Alegre vincou ainda que Portugal «é um país de maioria cristã».

«Portanto, é natural que alguns deles se mantenham. Mas Portugal não tem muitos feriados cívicos - e ainda falta o da fundação de Portugal com a batalha de São Mamede. Era o que faltava agora colocar-se em causa feriados como o 5 de Outubro, o 1º de Dezembro, o 25 de Abril ou o 1º de Maio», acrescentou.

 

 
Comentário ao texto
Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório


Imagem de segurança


Os comentários são sujeitos a validação. Serão excluídos todos os conteúdos racistas, xenófobos, difamatórios e atentatórios da boa imagem dos visados.

info@micportugal.org